O Espinho Inevitável, de Guilherme Gontijo Flores – 332 Poemas No 116


sound-iconOuça o Poema O Espinho Inevitável, de Guilherme Gontijo Flores

Guilherme Gontijo Flores
O Espinho inevitável
encravado sob a pele

se ao fim não sai
acaba

inevitavelmente
pele

& seja chaga seja
dor devida
inominada
é árido aprender
o seu abraço

mas mesmo assim
o devorar do espinho é uma dádiva.

Anúncios

Um pensamento sobre “O Espinho Inevitável, de Guilherme Gontijo Flores – 332 Poemas No 116

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s