O Espinho Inevitável, de Guilherme Gontijo Flores – 332 Poemas No 116


sound-iconOuça o Poema O Espinho Inevitável, de Guilherme Gontijo Flores

Guilherme Gontijo Flores
O Espinho inevitável
encravado sob a pele

se ao fim não sai
acaba

inevitavelmente
pele

& seja chaga seja
dor devida
inominada
é árido aprender
o seu abraço

mas mesmo assim
o devorar do espinho é uma dádiva.