Vento, de Lilian Aquino – 332 Poemas No 85


sound-iconouça o poema Vento, de Lilian Aquino

Lilian Aquino

 

Num fim de tarde
os cacarecos
rolavam
pelo telhado da casa.
O assobio do vento
dava um sentimento
de chamado
– querer revirar, despedaçar –
quando o certo é desenterrar
os ossos
e fincar os pés na terra
ainda seca.

Acima daquele sobradinho
espremido entre edifícios
pássaros voavam numa
espécie de dança circular
seguindo o vento.
As asas batendo somavam
desejos de ar.

Anunciada por ele
a chuva que chegou
não foi suficiente
pra tanto pó.

Preview_pequenosafazeresdomésticos

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s