Song of Itself, de Guilherme Gontijo Flores – 332 Poemas No 82


sound-iconouça o poema   Song of Itself, de Guilherme Gontijo Flores

Guilher Gontijo Flores

polar bear track 5 diz o ipod enquanto estico o pé pra fora do ônibus
& aponto para a borda do passeio público
senhoras junto ao lago espreguiçam seus braços nos modos do tai chi
apalpo o bolso pelo fumo insalubre que insisto em carregar nas manhãs cachorros & madamas cruzam meu caminho sem pestanejar

de fumo em riste ensaio apertar um cigarro a passos largos
são truques estranhos que faço & me imagino caubói spaghetti
montado em seu cavalo apertando o palhoso numa só mão
– seus olhos malignos & calmos seu fumo maligno & calmo a câmera
em close ganha força pela trilha sonora –
& causo algum frisson em dois adolescentes
que neste instante me tomam por herói maconheiro em praça pública

eu sou o maconheiro em praça pública mesmo fumando tabaco
sou cadela sadia que conduz sua dona de casa ao passeio como variante
do tédio diário
sou dois ou mais adolescentes em busca de crimes menores & heroicos
do asfalto
sou mesmo o asfalto do passeio onde passo & que também me atravessa
(fiz um pacto contigo walt whitman
sou-te & deixo-te fora dos pedestais
entregue ao gosto dos pedestres)
& poderia comparar toda esta cena a um quadro de maliévitch
ou às cores de godard
para assim dar mais gosto erudito a esta composição canhestra delendum momentum penso que bem poderia ser a morte que espreita
o cidadão mais gordo que sou & corro do outro lado deste parque num suor de bicas

a cocota sarada o estudante vadio o professor de latim nossas baratas
metropolitanas nos bueiros as curvas suaves dos galhos
do ipê sem flor
a próxima faixa deste ipod em minha mão que denuncia minha classe
em modos neomarxistas
(também fiz pactos contigo fernando pessoa diversos
mas não pretendo cumpri-los todos & te estendo a mão como um amigo)
as cores de godard ou pinturas de mailévitch ou goya previamente
não citado
um neomarxista de barba aparada com tênis allstar & calças milimetricamente surradas
o parque termina antes da música o poema nunca termina o passeio
segue adiante

preview_bebaixa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s